12 de jan de 2010

Cadastramento de artesãos vai embasar políticas públicas na área

O Programa de Artesanato do Estado do Rio de Janeiro colocou no ar um novo site, que pretende ser um parceiro do artesão. Por meio desse plano, as diretrizes do Programa do Artesanato Brasileiro (PAB), do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, são aplicadas em território fluminense.

O superintendente de Artesanato da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços (Sedeis), Augusto Sergio do Espírito Santo Cardoso, disse à Agência Brasil que a nova ferramenta visa a levar ao artesão informações sobre legislação, sobre benefícios concedidos pelo estado e sobre feiras das quais ele poderá participar, além de orientação sobre como comercializar seus produtos.

“Muitas vezes, a atividade do artesanato é exercida por uma pessoa individualmente, com pouco contato com outros artesãos que ficam no interior. Ele tem pouco acesso à informação”, afirmou Augusto Cardoso.

O cadastramento dos artesãos no PAB também está disponível no site. “O cadastramento é muito importante. Para que se possa desenhar políticas públicas direcionadas ao artesanato, como qualquer atividade, é necessário uma fonte de informação segura sobre aquela atividade. E hoje não existe uma fonte segura que possa embasar políticas públicas”, acrescentou o superintendente.

O cadastramento no PAB é o primeiro passo para subsidiar no futuro uma política direcionada para os artesãos brasileiros, frisou Cardoso. Até o momento, estão cadastrados no Programa de Artesanato do Rio de Janeiro cerca de 2,5 mil artesãos. Ele estima, porém, que o número real de pessoas que vivem do artesanato no estado é bem superior. Por isso, o governo fluminense está trabalhando em parceria com os 92 municípios para que as prefeituras cadastrem seus artesãos e enviem os dados à Sedeis.

O superintendente destacou a importância dessa atividade de pequeno porte como geradora de emprego. “É fundamental. É uma atividade remunerada que alcança as pessoas que não têm acesso ao mercado formal de trabalho”. Ele acredita que, desenvolvendo uma habilidade artesanal, a pessoa pode ter uma vida mais confortável e mais digna.

A expectativa é que o cadastramento preliminar dos artesãos fluminenses esteja concluído entre 60% a 70% até o final de 2010, segundo Cardoso. De acordo com ele, a Secretaria de Desenvolvimento está em contato com lojistas para estabelecer elos com artesãos do estado, a fim de identificar “quem pode investir no artesanato e o artesão que é capaz de fornecer o artesanato solicitado por esse comércio”. Uma das metas para 2010 é realizar reuniões de negócios para que os lojistas façam pedidos por atacado às associações que possam oferecer artesanato em grande escala.

2 comentários:

  1. Parabéns ao governo fluminense pela iniciativa de agilizar o comércio artesanal no Estado do RJ. Espero que o governo de SP copie este projeto.Gioconda. E-mail:ro2396@itelefonica.com.br ORKUT:ro23966@hotmail.com

    ResponderExcluir
  2. Realmente espero que o Governo de SP nos dê esta oportunidade de viver da venda de nossos artesanatos. Pra todos os atesões principalmente no caso de cadeirantes que tem a maior dificuldade em divulgar teus trabalhos e tb de acessibilidades a feiras do mesmo.Boa sorte pela excelente iniciativa do Rio de Janeiro...

    ResponderExcluir

Sua opinião é muito importante para nós!
Deixe seu comentário, compartilhe nossas postagens!
Visite nossa Loja Virtual: www.bigartes.com.br
Agradecemos sua visita!!!